A importância da identidade visual vai muito além de um logo bonito e de cores e traços modernos. Para a maioria dos negócios, independente da área de atuação ou porte, esse acaba sendo o primeiro contato entre um possível cliente e a sua marca, algo que tem o poder de estabelecer uma relação e um interesse ou cortar as chances de venda logo nos primeiros segundos.

No caso dos restaurantes, especificamente, a questão é ainda mais complexa. Por se tratar de uma escolha para alimentação, qualquer detalhe — incluindo aí escolha de cores e de materiais — pode ajudar a transmitir as ideias certas (ou erradas) para a conquista de clientes.

O cuidado, então, deverá estar presente em todas as etapas, desde a criação, passando pela elaboração e escolhas de materiais, até chegar na aplicação da identidade visual em cada um dos itens produzidos. No artigo de hoje vamos abordar os principais momentos que permeiam as escolhas e decisões dos restaurantes para que possam aproveitar da melhor forma a atração dos clientes pelo olhar. Dividimos esse processo em quatro diferentes etapas que vão ajudar a compreender a importância do processo e como o material da identidade visual permite que a mensagem de marketing do seu negócio possa ser estabelecida e fortalecida dentro do seu ambiente, do seu restaurante.

Então vamos aprender cada uma delas para saber como fazer cada vez melhor, rumo ao sucesso contínuo do seu estabelecimento. E vale aqui lembrar: na dúvida, não deixe de consultar a equipe da Petink!

A Identidade Visual

Para podermos entender a importância da identidade visual para o seu restaurante, é preciso, antes de tudo, saber o que é isso — entre conceitos e aspectos que fazem parte desse universo de imagens.

A identidade visual pode ser entendida como o conjunto de elementos visuais que compõem uma marca. Ou seja: são parte dela as cores, traços, formas, fontes usadas para a escrita, o logotipo, etc. Uma boa maneira de entender esse conceito é a partir de um exemplo clássico de um ramo bem distinto: o cinema. O filme Matrix, lançado em 1999, marcou época ao investir em um visual reconhecível até por quem nunca viu o filme. Os caracteres verdes que criavam o código, somado ao figurino dos personagens, o logo do título, a fonte usada para os materiais gráficos e digitais, tudo foi pensado de maneira a construir um universo de imagens — uma identidade visual — reconhecível e perceptível que, com os anos, se estabeleceu como um verdadeiro clássico.

Você pode argumentar que o ramo da alimentação nada tem a ver com a sétima arte e essa constituição é bem distinta, mas não é bem assim! Basta pensar que os itens de base são os mesmos: as fontes usadas para fazer o menu, os uniformes dos funcionários (caixas, garçons, atendentes, cozinheiros), a fachada com o logo. O importante é que todos os itens possam transmitir aos seus clientes (e possíveis clientes) uma única mensagem, positiva, em relação à sua marca — higiene, qualidade, cuidado, etc.

Na verdade, ao investir na identidade visual você acaba por estabelecer um bom caminho para quem vai escolher onde e o que comer, com uma maior confiança e certeza na qualidade da comida servida. E esse resultado é facilmente percebido. Basta ir a uma praça de alimentação de um shopping para observar como os restaurantes e lanchonetes mais procurados são aqueles que mais investem em mostrar que o ambiente é de qualidade, aprimorando a experiência do seu cliente e se esforçando em oferecer a eles sempre o melhor.

O que uma boa identidade visual faz por sua empresa?

Vale ressaltar que os benefícios de uma boa identidade visual não ficam apenas na primeira impressão acerca do seu negócio. Na verdade, eles vão muito além disso e em muitas outras áreas, que serão fundamentais para conquistar o sucesso do seu estabelecimento.

O universo de imagens da marca é uma forma muito eficaz de buscar a sua diferenciação diante da concorrência. Basta pensar no grande M amarelo somado ao fundo vermelho do McDonalds e perceber que até mesmo gigantes como a empresa norte-americana continuam a investir pesado nisso, como com a criação da marca McCafé a fim de atender a novas demandas do mercado (brasileiro e estrangeiro) — aproveitando a tendência do público que, cada vez mais, opta pelo cafezinho gourmetizado em ambientes que fogem à tradicional lanchonete, como o Starbucks.

Outra que também passou a investir em diferentes marcas dentro de um mesmo guarda-chuvas para trazer mais clientes foi o Viena, que, além do restaurante à la carte (com seus famosos sorvetes e pizzas), também apostou na criação de uma área Express, com comida a quilo, e em quiosques recheados de diferentes tipos de bebidas, cafés, tortas e salgados.

Reparou que em apenas poucos parágrafos falamos de diferentes marcas no ramo de alimentação que apostam no fortalecimento das marcas através da constituição de diferentes identidades visuais? As áreas de atuação são afins, mas com nichos específicos e que também se adaptaram às novas demandas do mercado brasileiro, criando ambientes visuais que se destacam e que marcam forte presença no mercado.

Outro papel importante da identidade visual é no que diz respeito à segmentação do público interessado no seu produto ou serviço. Como assim? Vamos explicar: a partir da escolha de coisas simples, como as cores para a marca, já é possível estabelecer qual o perfil do público que se deseja atingir.

Voltemos ao exemplo do McDonalds. Estudos indicam que a escolha do vermelho e do amarelo feitos pela marca não foram à toa. São cores quentes e fortes que, quando unidas, despertam fome e, ao mesmo tempo, quando usadas no ambiente de forma constante, favorecem o consumo rápido e a rotatividade, a fim de poder abrir espaço para os próximos clientes. Já os McCafés, como fica possível reparar, são lugares mais aconchegantes, cantinhos mais adultos no universo do fast food, que investem no metal escovado com madeira e cores mais sóbrias, próprios para um outro público mais seleto — até as bandejas têm diferentes padrões! Um momento de pausa e lazer na vida corrida, onde sentamos para tomar um café e nos esquecemos dos problemas. Fora isso, acabam afastando naturalmente as crianças, que não são consumidoras dessa marca específica, afinal, raramente optariam por um café quando poderiam escolher um milkshake, não é mesmo?

E a segmentação não para no uso das cores e materiais para a decoração, pelo contrário! Também envolve todo o universo de imagens e traços usados para a constituição dessa identidade visual. Uma ótima pesquisa para comprovar essa tese pode ser feita dentro de grandes centros comerciais e shopping centers, espaços que costumam criar grandes corredores brancos e básicos, com grandes janelas, para abrigar as mais diferentes identidades em seus espaços e com o mínimo de conflito.

Para crianças, o uso das cores primárias, displays com mascotes e bichinhos famosos para ver e interagir. Já para os jovens, são criados ambientes para curtir com os amigos e saber das novidades e tendências. E para os adultos, o investimento costuma ser em uma ambientação mais clássica e objetiva.

E, ainda, a identidade visual é decisiva para transmitir ao seu público-alvo os valores da sua marca. Afinal de contas, se uma empresa acredita e investe na sustentabilidade e no equilíbrio ecológico, por exemplo, a escolha dos elementos, símbolos e até de materiais deverá corroborar esses ideais. Caso não o faça, a propaganda pode ser considerada enganosa e o público passa a rechaçá-la em vez de adorá-la.

Um exemplo claro disso é o da organização internacional Greenpeace. Toda a construção de sua identidade visual perpassa aspectos fundamentais da sua luta pelo meio ambiente, seja no verde que pinta as letras do logo, o nome da marca, o investimento em materiais reciclados e/ou biodegradáveis e outras tantas pequenas ações que fazem com que o público perceba e abrace a marca por causa do universo de imagens utilizado.

Colocando em prática a identidade visual

Agora chegou a hora de começar a traduzir todo o conhecimento apresentado até agora em aspectos bastante práticos para chegar à escolha da comunicação visual do seu estabelecimento. Como traduzir a identidade visual em materiais?

Essa resposta, na verdade, pode ser facilitada ao subdividir a tarefa em seis momentos distintos, desenhando um caminho que permite que se chegue à escolha desses materiais de forma um pouco mais orgânica. Conheça cada um deles abaixo, com uma breve explicação:

Definição da empresa

É a velha máxima: para saber qual o caminho a se percorrer, é fundamental saber aonde se quer chegar. Portanto, o primeiro passo dessa jornada será interno, analisando e entendendo o produto ou serviço oferecido, quais as respostas que eles oferecem para a constituição ou fortalecimento de uma marca e como a empresa deseja se posicionar frente ao mercado, ao público, à concorrência e até mesmo de forma social.

Definição do público-alvo

Quem oferece algo, precisa oferecê-lo a alguém. Quem são essas pessoas? Quais os seus desejos e necessidades e como a sua marca se posiciona para poder atender a essas demandas? Ao responder essas perguntas, você permite um melhor delineamento do papel da sua empresa dentro do mercado.

Escolha da composição da identidade visual

A partir daí, a identidade visual acaba sendo uma consequência. Como assim? Sabendo quais as mensagens de marketing da sua empresa, o que ela oferece e para quem ela se destina a trabalhar, se pode eleger a composição desse universo visual tendo como base o caminho traçado até o momento. Assim, dá para estabelecer um diálogo produtivo na resposta às demandas desde o momento dos primeiros contatos visuais entre clientes em potencial e a marca.

Pesquisa junto ao público-alvo

Agora é novamente hora de retornar ao público da empresa, dessa vez para pesquisar seus hábitos, entre marcas top of mind (aquelas que surgem na mente ao perguntar sobre um tipo de produto ou serviço), análise de concorrência a partir do olhar do cliente, como ele faz as compras dos produtos e serviços em questão e como ele deseja fazer essas transações, para que a sua empresa possa pensar em como facilitar ainda mais o processo de compra e o acesso aos bens oferecidos.

Elaboração da estratégia de marketing

Depois de saber o que será oferecido, para quem, de que forma e como se comportará visualmente a marca, é chegado o momento de elaborar as estratégias de marketing, ou seja, pensar como serão divulgadas as mensagens do seu negócio para os possíveis clientes.

Escolha de materiais

Os materiais mais certos para atingir o seu público acabam sendo eleitos de forma muito mais eficaz depois que todos os passos anteriores são percorridos. A partir deles, será possível eleger os materiais e todos os itens que vão compor a identidade visual do estabelecimento.

Percebeu como o caminho é intuitivo para chegar à escolha dos materiais impressos que vão dar cara e corpo à identidade visual do negócio? Muito mais fácil do que se poderia imaginar à primeira vista, por meio dessas divisões você passa a dominar o seu ambiente de atuação, favorecendo a conquista do sucesso e das decisões mais acertadas para crescer.

A identidade visual no seu restaurante

Agora, vamos partir para os aspectos específicos para você que tem um restaurante. No início do texto falamos da importância da identidade visual para quem trabalha no ramo da alimentação, para corroborar a mensagem da marca e atrair a clientela para dentro do seu negócio, incluindo até mesmo aspectos como a higiene, fundamentais para o ramo.

No caso dos restaurantes, o caminho para a construção da identidade visual acaba sendo o mesmo apresentado no item anterior, só que voltado aos objetivos específicos da sua área. Apenas o último item foi separado aqui por merecer uma atenção especial no artigo de hoje (e, assim, ajudá-lo a tomar as ações específicas). Portanto, vamos aos passos do tópico anterior, só que com descrições mais objetivas. São eles:

Definição da empresa

Sim, nós sabemos que é um restaurante, mas existem diversos tipos de restaurante, entre fast food, comida a quilo, à la carte, pratos feitos… Afinal de contas, o que o seu negócio vai oferecer? Comida turca, vegetariana, churrasco ou francesa? Tudo isso vai colaborar muito para entender qual é a sua posição no mercado.

Definição do público-alvo

Entendendo o tipo de comida a ser servida fica mais fácil estabelecer preços, que vão influenciar diretamente no público que será atraído para o seu restaurante. Afinal, quem são esses seus (futuros) clientes e o que eles esperam do tipo de comida ou serviço que é oferecido? Onde falharam ou falham os seus concorrentes e onde estão as melhores oportunidades de negócio para o seu estabelecimento?

Escolha da composição da identidade visual

Um passo leva naturalmente ao outro e, a partir do momento em que sabemos o que vai ser servido e para quem vai se destinar a comida preparada, a hora é de compor a identidade visual. É importante e necessário que seja estabelecido, nesse momento, os pontos de encontro para que as imagens constituídas falem em uma única voz para o seu público, de forma clara e objetiva, seja no uso das cores, dos elementos gráficos ou da tipologia.

Pesquisa junto ao público-alvo

Para o caso específico de restaurantes, esse é o momento de definir aspectos detalhados quando ao menu, ingredientes e diferenciais (parcerias com fazendas orgânicas no entorno, ou um cardápio de cervejas especiais, por exemplo).

Elaboração da estratégia de marketing

Como você vai vender o restaurante para o seu público-alvo e quais os canais preferidos para passar as suas mensagens de marketing? Redes sociais? Flyers? O universo é grande e aqui é o momento de saber como será feito o uso da sua verba.

A escolha de materiais merece uma atenção especial. Afinal, são eles que vão identificar a sua empresa no meio da concorrência. Um produto bem interessante e feito sob medida para restaurantes são os jogos americanos personalizados, que ajudam a compor a ambientação das mesas com a sua marca e, dependendo da arte, podem até incentivar os aficionados pelas redes sociais a postar as fotos dos seus pratos. Imagine uma moldura com a sua marca circulando na timeline de milhares de pessoas? Quer propaganda mais moderna?

Fora isso, a empresa também tem outros diversos materiais de comunicação visual que, com certeza, vão auxiliar a sua empresa a se destacar e propagar da melhor forma as suas mensagens de marketing. Um bom exemplo é o uso de cavaletes, colocados no entorno do estabelecimento a fim de ajudar o seu público a encontrá-lo em meio à concorrência.

Também é possível adesivar os carros que vão fazer as entregas do seu restaurante, colocando à vista de todos clientes em potencial os contatos (telefone, e-mail, site e perfis nas redes sociais) para que as pessoas possam também fazer os seus pedidos ou finalmente conhecer o seu espaço. Ou, ainda, produzir bolachas de chopp — itens clássicos para quem aprecia a bebida — personalizadas com a sua marca e mensagens que serão usadas, lidas, fotografadas, curtidas e compartilhadas, transformando um simples círculo (que serviria apenas para a proteção do mobiliário) como forma de fazer publicidade sem precisar comprar ou alugar espaços de outras pessoas e empresas.

Vale lembrar que todos esses esforços e investimentos são formas de fortalecer a sua marca dentro do próprio ponto de venda e também nos caminhos do entorno. Um restaurante conquista a sua reputação através da comida oferecida, do serviço da equipe e também (em divisão bem igualitária) da constituição da identidade visual, que ajuda a propagar tudo o que você deseja que seu público saiba acerca da sua marca.

Agora é possível entender um pouco mais sobre o universo da identidade visual dos restaurantes e qual o trajeto que deve ser percorrido por empreendedores que desejam e precisam se destacar entre a forte concorrência no mercado. No que se refere à comunicação visual da empresa, suas decisões de negócio acabam sendo muito mais acertadas e com muito menos chance de erros e fracassos no caminho.

Podemos compreender que uma identidade visual é composta por tudo aquilo que é percebido com os olhos (a visão) pelas pessoas, e, entre elas, pelos seus clientes em potencial, um conjunto que vai ajudar a fortalecer as suas mensagens, o que você oferece ao mercado, quais os seus diferenciais, etc. Assim você cria a identidade da sua marca, ajudando os clientes a entender mais do que você oferece, seus comportamentos e, assim, abraçar o seu restaurante, em um processo que ajuda na fidelização da sua base.

Na verdade, o que é fundamental compreender é que a identidade visual de uma marca vai muito além de um logo bonito e da escolha de itens modernos de materiais gráficos. É preciso um delicado e completo estudo do próprio negócio, do público-alvo e qual o caminho a ser percorrido a fim de poder escolher os melhores e mais eficientes materiais para divulgação das suas mensagens de marketing e informações acerca dos produtos e serviços oferecidos pelo seu restaurante.

Vale lembrar que todo bom negócio começa com o desenvolvimento e planejamento de boas ideias, traduzidas em mensagens inteligentes, feitas sob medida para o público que você deseja atingir. E, finalmente, na escolha de materiais gráficos que permitam fazer a publicidade e a propaganda do seu negócio com qualidade e eficácia.

Portanto, tenha cuidado e carinho com todo esse processo de constituição de uma identidade visual forte, da mesma forma com que a sua equipe cuida para que os produtos alimentícios sejam da melhor qualidade para os seus clientes. Planeje-se para escolher materiais que possam corroborar tudo aquilo que você precisa para atrair cada vez mais pessoas para o seu restaurante.

E lembre-se de que no blog da Petink oferecemos sempre conteúdos de primeira linha para ajudá-lo na tarefa de fortalecer a sua marca ao oferecer materiais diferenciados e impressão de qualidade para os seus itens de comunicação visual!

E já que está nessa visita ao nosso blog, que tal aproveitar para continuar a leitura com o artigo Como pedir um orçamento gráfico de forma ideal? Garantimos que você não vai se arrepender!